sábado, 5 de junho de 2010

DOR NO CORAÇÃO NA CRIANÇA

Alguns Pais, preocupados com a dor no peito nos filhos, enviam perguntas para este blog, mas
uma resposta segura e honesta só pode ser fundamentada na avaliação clínica da criança.
De qualquer modo, dum modo geral, as recomendações que daria, são:
1 – O médico assistente é a pessoa mais indicada a quem colocar estas questões, porque conhece a criança e a família.
2 – Na criança, raramente as dores no peito são sinal de doença grave, contrariamente ao adulto. Os sinais que poderão descansar os pais são:
A dor é breve e acontece tanto em repouso como no esforço. É tipo ma picada que “Vem do nada” como dizem os mais crescidos. 
Mais frequentemente o dedo aponta sobre o esterno, central. 
Nessas alturas, se respirar fundo, a dor aumenta, porque tem a ver com a grelha costal. 
O coração pode começar a bater mais depressa quando a criança se assusta. 
Esta é quase de certeza, uma dor benigna.
3 – A dor é preocupante se é surda, é mais espalhada, mantém-se e não passa. 
Pode haver dificuldade em respirar, tosse ou mesmo febre. 
O coração está um pouco acelerado.
 As dores que surgem predominantemente no exercício, que dão tontura ou desmaio, ou aceleração rápida ou irregularidades no ritmo cardíaco,  também são preocupantes.

Que fazer se a criança tem dor no peito?
1 – Há crianças que choram com a dor. A criança está assustada, pode doer, mas a dor será mais provavelmente benigna. Os pais ou os cuidadores (escola) devem ter calma e esperar uns minutos. É muito importante acalmar a criança carinhosamente dando-lhe segurança. (só pessoas acalmadas podem transmitir calma…)  A criança acalmou mas a dor não passou. Veja como ela está; sinais de doença? Está pálida? Ponha um ouvido no peito dela e veja se o coração bate muito depressa (superior a 200 pulsações/minuto). Se o coração estiver bem (100/120 pulsações ou menos)  passe uma pomada para a dor no peito dela, e espere mais 30 minutos. A dor vai passando, já não dói tanto quando respira fundo. Será uma dor musculo-esquelética, que passou com atenção e segurança dos pais (ao deitar estas dores costumam ter um componente de ansiedade mais importante)
2 – A dor surgiu no desporto, mas a criança continuou a jogar e passou, ou o treinador não valorizou, será uma dor benigna, a valorizar se se repete mais vezes.
3 – A dor é surda, começou ontem, diminuiu um pouco com um xarope para a febre/dor, mas hoje voltou igual, a criança não está confortável: telefone ao médico assistente.
4 – A dor foi concomitante com desmaio ou tontura, de breve duração, ou irregularidades importantes no rimo cardíaco, deve consultar o médico e não deve praticar desporto enquanto não houver um diagnóstico.
5 - Existem a acrescentar a este dados, sinais de alarme familiares, mesmo quando a criança é tida como saudável, sem sintomas e, em geral, é vista regularmente pelo pediatra . Esses dados são: um parente próximo, com arritmia cardíaca importante, que o leva a fazer medicação ou que colocou um pacemaker. Uma doença cardíaca familiar conhecida, nomeadamente doenças do miocárdio. Morte súbita em familiar próximo (< 40 anos de idade).
Estes dados, sobretudo se a criança/jovem praticar um desporto federado, devem levar a uma consulta de cardiologia pediátrica.

Depois destes aspectos práticos, falemos então da “dor no coração” na criança.



A principal causa que leva os Pais a uma consulta de cardiologia pediátrica, é o facto de o médico assistente dizer que a criança tem um sopro.
Logo a seguir são as dores no peito, a “dor no coração”.

No peito há muita coisa que pode doer, mas o coração é quase sempre o culpado...
Em geral trata-se de um rapaz, pré-adolescente magro, desportista e saudável, bom aluno e um pouco ansioso. A dor é real, aguda, tipo pontada, localizada ao centro do peito, sobre o esterno. É uma dor moderada e que muitas vezes dificulta a inspiração, daí que também é referida “falta de ar”. Costuma durar poucos minutos e depressa passa, assim como veio. Não costuma haver alterações do ritmo cardíaco, a não ser alguma taquicardia, porque a criança se assusta e fica ansiosa. A dor pode surgir quer durante o exercício físico, quer em repouso.

Esta dor é musculo-esquelética e tem origem nas articulações entre o esterno e as costelas.
O exercício físico intenso, como nadar, andar de bicicleta, ou outros (mochilas...), podem causar este tipo de dor. Os defeitos de posição, como sentar-se mal, dormir em más posições, podem facilitar esta dor.
Esta é a “dor no coração” de longe a mais frequente. Uma vez que a criança toma consciência da realidade, aprende a lidar com esta dor, deixa de se assustar, e a sua vida continua... Mas se quiser, tem aqui um bom  motivo que pode render algumas contra-partidas...
Por vezes as articulações em causa podem mesmo inflamar e levar a uma dor recorrente, podendo haver necessidade de tratamento com anti-inflamatórios.

Mas no peito há mais coisas que podem doer; felizmente são muito mais raras.
A pele pode doer, mas na criança costuma ver-se a lesão que causa a dor.
Os musculos podem doer, sobretudo se pouco treinados e sujeitos a um esforço excessivo.
Dentro do peito há dois sacos membranosos que podem doer: um que envolve os pulmões, a pleura, e outro que envolve o coração, o pericárdio.
São compostos por duas camadas, entre as quais existe um pouco de líquido lubrificante, para evitar que estes órgãos se magoem, pois estão permanentemente em movimento.
A pleura pode doer, mas em geral isto acontece num contexto infeccioso pulmonar, com febre, tosse e dificuldade em respirar. As pneumonias são a causa mais frequente deste tipo de dor, mais frequente à direita.
O pericardio quando inflamado, por certas doenças em geral virais, também doi, uma dor compressiva e constante, que não passa facilmente.

O coração doi, em particular o músculo cardíaco.
Os adultos que tiveram enfarte ou angina de peito, sabem como essa dor é forte e angustiante.
Em geral existem problemas com as artérias coronárias, que irrigam e alimentam o coração, que, ao entupirem, fazem sofrer o musculo cardíaco. A idade, certas doenças (diabetes, colesterol alto, hipertensão arterial) e outros factores, em particular o tabaco, são os principais agentes.
Na criança estes factores não existem, no entanto há situações raríssimas que podem fazer doer o coração nos mais jovens. São anomalias congénitas das artérias coronárias. A dor aparece sempre e só no esforço físico, tipicamente, ou no bebé que chora, fica pálido e suado sempre que chupa o biberon, ou no adolescente que tem dor forte no peito, por vezes com arritmia cardíaca, quando pratica desporto. Estas situações são muito raras, mas sérias e exigem uma abordagem cuidada.

O aparelho digestivo também pode simular dor no peito, mas em geral as esofagites, hernias do hiato dão mais dor nas costas. Muito ar no colon ou no estômago, pode dar desconforto na parte inferior do peito.

Falámos de dor no peito em crianças saudáveis.
Há crianças com doenças crónicas, quer generalizadas, quer localizadas ao próprio coração ou aos pulmões, que podem ter dôr no peito. Estas situações, uma vez identificadas, são discutidas com o médico assistente e os Pais, que ficam assim mais esclarecidos das complicações que a doença do seu filho pode dar.

Concluindo:
A dor no peito, de longe a mais frequente, é uma dor tipo musculo esquelética, benigna, cujo tratamento principal consiste em acalmar e dar segurança à criança, ensinando-a a lidar com esse tipo de dor. Dê-se-lhe atenção, mesmo ( ou sobretudo...) sendo só isso o que ele quer.
Isto também dá uma certa segurança aos Pais. Não cabe aqui aos Pais lembrarem-se dos seus Pais, que faleceram por causa do coração.
Quase de certeza não é isso que se passa com os seus filhos, enquanto não forem avós...
Fica um “quase” que compete ao médico assistente resolver como abordar, se o estudo passa pelo cardiologista pediátrico ou não.
Não devem ser os Pais a decidir isso e a levar logo a criança “com dor no coração” ao cardiologista pediátrico, ou mesmo às urgências.
A criança tem um médico que a conhece, e deve ser ele a decidir o que fazer e como fazer.
Há tempo para resolver as coisas da melhor maneira ...

Quais são os sinais que nos podem preocupar mais?
1 - A idade da criança: antes da idade escolar, as dores no peito são benignas em geral. Na adolescência poderão ser mais preocupantes.
2 - Como surgiu a dor: se a criança está calma em casa e tem uma dor súbita no peito, que passa pouco depois, que não a deixa respirar bem, porque dói mais, é uma dor muscular.
3 - Se a dor aparece só no esforço, e a criança sai do jogo, ou desmaia, pode ser preocupante.
4 - O coração bate depressa: se aparece primeiro a dor, o coração bate depressa porque a criança se assusta. Se o coração bate depressa primeiro e depois aparece a dor, pode ser mais preocupante.
5 - O local da dor: se a dor é no centro do peito, numa linha vertical, é dor muscular esquelética. 

O coração dói! Mas, na criança, é muito raro a dor no peito ser do coração a doer!



25 comentários:

  1. Al leer su articulo , me vi plenamente reflejada, pues como dice al inicio "é o facto do medico assistente dizer que a criança tem um sopro.."..; En mi caso de hecho existe el tal soplo, si es verdad que despues de haber visto a mi hija y de decir que no era nada de grave, sali de su consulta mucho mas aliviada.
    Creo que este, tan interesante, articulo, deberia de ser leido por tanto " medico assistente" , y reflexionar sobre la formacion , a todos los niveles, que tienen o suponen tener. Gracias Dr.Macedo

    ResponderEliminar
  2. minha filha de 9 anos sente dor no peito de vez em quando, eu a levei no medico e disse que não era nada ,que era só uma dor muscular.
    mais ela não ficou boa , e agora essa dor vem com vomito e eu não sei o que fazer,fico muito preocupada, pois não sei do que se trata.
    preciso de ajuda.

    ResponderEliminar
  3. Meu filho de 10 anos sente de vez em quando, a noite,na hora de dormir um choque no torax no lado esquerdo,que dura uns segundos ,o que pode ser?Costumava sentir uma caimbra muito forte na mão e ela ficava alguns minutos dura,ele sentia dor,mas nunca mais sentiu isso,mas esse choque no peito acontece esporadicamente sempre no hr em que lel está indo dormir..Será que tem a ver com o fato dele estar com o colesterol muito alto já há 3 anos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provavelmente tem a ver com a parte músculo-esquelética, a posição na cama, e talvez o facto de ficar só à noite ...
      Não tem a ver com o coração, seguramente, nem com o colesterol alto, como diz, mas este aspecto pode vir a ter importância daqui a uns anos, e tem que ser controlado, não é?
      O Pediatra decidirá o que melhor fazer.
      Obrigado pelo comentário!

      Eliminar
    2. A resposta que eu queria. Isso acontece com meu filho tambem, pois ele tem 9 anos e o colesterol dele ta alto, eu pensei que fosse o coração. Grata

      Eliminar
  4. Olá tenho uma filha de 8 anos e ela vem sentindo dor no peito há um.mês .bem no meio direção ao osso esterno.o que pode ser.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  5. você me ajudou bastante, pois minha preocupação acabou assim que li esse post,obrigadooooooooo

    ResponderEliminar
  6. Minha filha de 9 anos diz sentir choquinho a no seu coração o que pode ser?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez sejam extrassistoles, situação benigna nesta idade, geralmente.
      Fale ao pediatra quando puder.
      Grato

      Eliminar
  7. Preciso de ajuda minha filha tem cinco anos já levei em cardiologista pediátricos mas não tem nada fez eco tudo q imagina pois ela sente uma dor do lado esquerdo do peito...mas pediatra fala q não tem nada e o cardiologista tmbm..
    E no hospital quando levo porq fico preocupada eles fazem eletro e nada tmbm....eu tenho ansiedade será q passou p ela oq pode ser agora msm ela falou má ta doendo fraco mas tha aí fico em pânico mas dia 28 de dezembro 2015 fez exames e nadaa

    ResponderEliminar
  8. Bom dia, o meu filho de 5 anos aplica-se de 1 dor no lado direito ligeiramente abaixo das costelas, diz que sente dor ao tossir ou inspirar com alguma força. Devo dar importância????

    ResponderEliminar
  9. Bom dia Carlos.
    Pode ser, entre outras, uma inflamação na pleura, sobretudo se tiver febre. Ligue ao pediatra pf! Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Meu filho tem 6 anos e reclamou de dor no peito.VC pergunta pra ele onde DOI ele mostra o osso da costela e depois fala que sente o coração andar ....quando ele dorme sua respiração parece cansada ....o que devo fazer ...será algo grave....

    ResponderEliminar
  11. Meu filho tem 6 anos e de vez em quando fala que o coração está doendo e acelerado.
    Estou muito preocupada. O que pode ser?

    ResponderEliminar
  12. minha filha de 5 anos de vez enquando comenta que o coração bate forte, hoje pela manha estava tossindo dei predsin pois é tosse alergica e estava com um pouco de dificuldade de respirar, alguns minutos depois comentou que o coração batia forte e de fato bati um pouco forte. Devo me preocupar?

    ResponderEliminar
  13. Bia noite. Meu filho de 11 anos tem o peito um pouco fundo e se queixou hoje a noite de que seu peito estava doendo. Ele se queixou que doía bem onde o osso dá costela termina (e onde é mais fundo). Fiquei um pouco preocupada.

    ResponderEliminar
  14. Boa tarde minha filha tem 7 anos e toda vez que ela corre se esforça ela sente uma dor no peito do lado esquerdo. Fala que dói muito fica gelada e o coração fica muito palpitando,e agora deu pra aparecer uma dor na pena o que será.

    ResponderEliminar
  15. Oi.Boa noite
    Minha filha de 4anos
    Sentir um dor no peito esquerdo
    Que dura poucos segundos e passa..
    O que será?

    ResponderEliminar
  16. Minha filha de 9anos sente uma pontada nno peito esquerdo quando esta comendo ela diz q aumenta quando respira o que pode ser

    ResponderEliminar
  17. Minha filha tem 11 anos e as vezes sente uma dor forte embaixo do peito.e falta de ar.dizq e uma dor no coração.e desisperador! Me ajudem como devo agir numa hora dessa.obs: demora mais passa depois

    ResponderEliminar
  18. Olá! Meu filho de 5 anos diz sentir dor no peito, na verdade a comunicação com ele é um pouco complicada, pois ele não sabe se expressar direito, só diz que tá com dor no coração e coração bate rápido
    Levamose na emergência o médico passou um eletrocardiograma e não deu nada...mas confesso que eu estou preocupado, porque hora e outra ele fala que tá doendo e que tá batendo...Me ajude

    ResponderEliminar
  19. Olá,boa noite.
    Minha filha está com 7 anos, nasceu com um sopro no coração mas, aos 3 meses desapareceu, os médicos disseram que foi devido as complicações do parto, que foi normal, mas, ela não chorou ao nascer e infelizmente não tive uma boa gestação. Hoje estou muito aflita pois faz 3 dias que ela sentiu uma dor no peito pela segunda vez, sendo essa última mais intensa...😢 Local da dor: Do lado esquerdo entre o peito e as costelas...Devo me preocupar??

    ResponderEliminar
  20. Meu filho de 8 anos diz que parece ter uma espinha no coração dele,e dói muito, incomoda é não o deixa dormir a noite!

    ResponderEliminar
  21. Meu filho colocou uma prótese por cateter para corrigir Cia, quando tinha 5 anos, hoje aos 9 ele reclama de dor no peito quando joga bola tendo q parar,o q pode ser?

    ResponderEliminar
  22. Olá
    É melhor falar com o médico assistente para ver se está tudo bem com a prótese.

    ResponderEliminar